Gosto de literatura e fotografia. Então, mantenho dois blogs: "LUGARES" - dedicado à fotografia com relatos de viagens, experiências, informações e dicas aos marinheiros que se aventuram em "mares nunca dantes navegados" e "NOTAS DO SUBSOLO" , um caderno virtual dedicado à literatura. Espero que gostem.



23 de mai de 2010

EM BUDAPESTE - DIA 1

    Desta vez viajei pela TAP. Fui de São Paulo direto para Lisboa, e de lá, com mais quatro horas de vôo pela própria TAP, cheguei à Budapeste.

    Aqui é primavera. O horário de verão deixa uma diferença em relação ao Brasil, de + cinco horas. Caso não existisse em Budapeste horário de verão a diferença cairia para quatro horas.
    Vôo cansativo, mas tranqüilo.
    Um alerta: O freehop de São Paulo é um dos lugares mais em conta para se comprar eletrônicos, cremes das marcas, perfumes etc..., mais barato só nos Estados Unidos ou Hong Kong.
    A dermatologista me deu uma relação de cremes da VICHY para comprar aonde fosse melhor. Consultei a internet e vi que o lugar melhor era mesmo o free shop de São Paulo. Comprei, então, alguns produtos e, inclusive, um Tônico de mais e 100ml. Resultado: Em Lisboa, tive que colocar inteirinho no lixo. Lacrado e com nota fiscal. No Brasil não dizem, mas somente produtos comprados em território europeu podem passar livremente, quando têm mis de 100ml. Comprados no Brasil, em freehop, mais de 100 ml, seja o que for não passa. Assim fica a lição.
    Budapeste me recebeu com chuva, mas o sol, já na vinda do aeroporto, apareceu. Dia típico de primavera. Chuva, sol e calor. Lucca, que aluga o apartamento, estava esperando no aeroporto e deu tudo certo. Ele cobra 17 euros para te esperar. Mais em conta que o táxi.
    Malas desfeitas, nos instalamos e fomos ao mercado para buscar o básico.
    Um jantar de vinho, queijos e cama. São 18 horas apenas, mas o sono é terrível. O básico está feito e já me sinto em casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário